Fonte: Redação - Fotos: Divulgação

A madeira na construção civil é tão importante quanto outros materiais de base, sendo usada, principalmente, na instalação de formas, tapumes e escoras. Versátil e resistente é, literalmente, “pau para toda obra”, como diz o ditado popular. Na decoração de interiores também é indispensável para quem gosta de uma estética atemporal e sólida, mesmo em espaços menores. Tanto é verdade que a madeira é utilizada em diversos projetos arquitetônicos e nos  apartamentos decorados da Yticon, construtora paranaense voltada ao mercado de imóveis econômicos, compactos e do segmento do Programa Casa Verde e Amarela (CVA).


Segundo a arquiteta dos apartamentos decorados da Yticon, Cristina Cardoso, quando se pensa em madeira na decoração, o imaginário geralmente leva a um local rústico, pesado e, muitas vezes, caricato. “Esse  é um equívoco muito comum, pois são estereótipos que revisitamos em publicações, cenários, ambientes artificialmente produzidos para reforçar a presença da madeira como material natural e essencialmente bruto”, pontua. No entanto, a madeira é tão versátil que se adapta facilmente desde ao universo campestre até aos ambientes mais luxuosos. “O material se alia aos mais diversos estilos de arquitetura e decoração. Traz aconchego aos ambientes mais despojados e modernos, seja em detalhes de mobiliário ou em pequenos objetos de decoração e uso cotidiano”, explica.


A arquiteta ressalta que, pela versatilidade, a madeira possui características que agregam grande impacto visual, estético e funcional tanto na parte externa quanto na interna do imóvel. “Não há uma regra na utilização da madeira ou de quaisquer outros elementos na composição da arquitetura e interiores. O que existem são as características e limitações impostas pelo próprio material. Há aqueles que são voltados para áreas externas e outros para as  internas, com restrições de uso apenas devido ao seu comportamento com relação à exposição ao tempo, ao local onde será aplicado e às demais condições do entorno. Obedecendo essas restrições, a madeira pode ser amplamente utilizada em ambientes externos e internos”, ressalta Cristina.


Interno versus  Externo


Nos ambientes externos, há inúmeras ideias de utilização da madeira, seja em casas ou prédios, com a construção de telhados, estrutura, fechamento de paredes, esquadrias, pisos, decks, pergolados e revestimentos. Ainda na área externa, a madeira pode ser a escolhida para piso de áreas sociais e íntimas chamadas “secas”. De acordo com a profissional, essa opção traz conforto térmico e visual às pessoas que ocupam esses espaços. “Com os devidos procedimentos de tratamento e manutenção, a madeira permanece como elemento durável e de grande personalidade na arquitetura”.


Na área interna dos imóveis compactos, Cristina  salienta que a madeira também pode ser usada na composição dos ambientes, seja no mobiliário ou em uma infinidade de outros exemplos de aplicação como protagonista ou peça auxiliar. “A presença de móveis e objetos de madeira eleva  a sensação de aconchego nos ambientes, tornando a experiência visual e sensorial muito mais agradável. Contudo, em espaços mais compactos, o uso excessivo de madeira de tonalidade mais forte - em painéis, móveis, piso e objetos - pode resultar em um ambiente muito carregado de informação, pesado, escuro, dando a impressão de ser ainda menor”, comenta.


Por esse  motivo, segundo a arquiteta, é importante atentar-se à  composição do ambiente e, preferivelmente, dosar melhor a quantidade de elementos ou utilizar madeira mais clara para atingir a sensação de ambiente mais amplo, mais suave e mais iluminado. Outra ideia é procurar um padrão de tonalidade que deixe o ambiente mais harmônico e com aspecto mais natural. “Nesse  caso, para fugir da monotonia, vale compor com objetos e móveis de cores sólidas e outras texturas”.


Já para  aumentar o espaço livre e ter a sensação de amplitude, ela orienta lançar mão de técnicas já conhecidas como uso de espelhos, vidros, mobiliário sob medida e armários com portas de correr. “Num apartamento compacto, em geral, aplicamos técnicas para uso inteligente e otimização do espaço. Por isso, a madeira tem de ser usada de forma estratégica. Uma dica é equilibrar com outros materiais como tecidos em lã e linho, objetos e tapetes em palha, cerâmica e sisal, e couro. Essa mescla vai refletir em solidez e neutralidade”, diz.


Por onde começar?


Para quem está pensando em começar uma decoração com madeira em um imóvel compacto, a arquiteta sugere que o morador observe se, no ambiente, já existe algum objeto ou elemento em madeira, como piso, portas, janelas ou mobiliário. Caso não haja nada ainda, o ideal é iniciar com objetos e mobiliário de pequeno porte. “Pode ser um conjunto de cadeiras de jantar, uma luminária, ou uma mesa de centro. Em ambientes muito frios, a madeira pode entrar como protagonista revestindo uma parede, em móveis de maior destaque, como mesa de jantar, estantes e armários mais robustos”.


Mas caso já existam elementos ou móveis no ambiente, a dica é equilibrar a aplicação da madeira em tonalidade mais parecida com o que já tem. “Em um quarto, por exemplo, onde já tenha um armário em madeira natural, o ideal é colocar uma cabeceira ou mesa de apoio na parede oposta, com a tonalidade mais próxima possível do móvel existente. Se o piso for  em madeira, o indicado é observar o tom e colocar sobre ele móveis pouco contrastantes”, finaliza a arquiteta.


Mais imagens

Rua Geraldo Agostinho Ramos, 394
Jardim Paulista
Campo Grande - MS

Ver mapa

(67) 99985-4021 / 99211-9895